Setor 1

Ultra-conservadores de hoje representam os que tramaram a condenação de Jesus, diz Leonardo Boff sobre ataques à Mangueira10 min read

Teólogo Leonardo Boff – Reprodução/Facebook

Em mais um pré-Carnaval agitado, a Mangueira vem sendo alvo de ataques na internet por conta do enredo de 2020, sobre Jesus Cristo – “A verdade vos fará livre”. A ideia, saída da cabeça do carnavalesco Leandro Vieira, da volta de Jesus pelo Morro da Mangueira, próximo dos pobres e de minorias perseguidas, representado de diferentes formas – mulher, negro, índio e outros – incomodou segmentos cristãos mais conservadores. Até ameaça de ação na Justiça a escola já sofreu.

Para comentar o enredo, e toda repercussão, o Setor 1 ouviu o teólogo Leonardo Boff, um dos expoentes da Teologia da Libertação, que compartilha com a Mangueira de 2020 a visão de um Jesus Cristo mais humano – menos o Jesus Glorioso, mais o amigo e defensor dos pobres.

Mais:
Pastor Caio Fábio compara samba da Mangueira de 2020 ao evangelho de Jesus e critica fanatismo religioso; assista
Veja a ordem dos desfiles de 2020

“Essa dimensão de Jesus foi especialmente enfatizada pela Teologia da Libertação, que tem nos oprimidos e nos crucificados na história seu ponto de partida e de ação. Ela quer, como Jesus, libertar toda esta gente. Essa é a mensagem clara do enredo da Mangueira”, declara o teólogo, que critica a reação mais extremista ao trabalho de Vieira: “os ultra-conservadores de hoje representam os que tramaram a liquidação de Jesus”.

“A Mangueira, com seu enredo e sua arte, fez uma pregação melhor do que qualquer uma, de padre, de bispo ou de cardeal”, afirma.

Veja a entrevista na íntegra:

O carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, escreveu um enredo em que imagina a volta de Jesus Cristo ao mundo atual, mas renascendo na Mangueira, filho de pais pobres e vítima das mesmas mazelas que os favelados sofrem atualmente, mas sendo apresentado ao Carnaval como algo libertador em relação ao sofrimento. O que acha dessa forma de ver a figura de Jesus Cristo? Pela sinopse, é possível ver quais pontos de conexão com a Teologia da Libertação?
Uma vez que o Filho de Deus se fez homem e se encarnou, nunca mais abandonou a humanidade. Ele continua sempre vindo e fazendo-se presente na história, principalmente no pobre, no negro, no índio, na mulher marginalizada, nos homoafetivos, no menino e menina de rua. Sua paixão dolorosa continua até o fim dos tempos. Enquanto houver irmãos e irmãs dele sendo oprimidos e novamente crucificados, lá está ele sofrendo e sendo crucificado junto com eles. Isso é doutrina tradicional da Igreja. Não há erro nenhum naquilo que a Mangueira afirma. A questão é que a maioria dos cristãos esquece essa verdade. Vive uma fé só cultural e não de convicção. Então o samba da Mangueira expressa concreta e belamente esta venerável tradição. A Estação Primeira é a Nazaré de hoje. Jesus foi pobre bem concretizado hoje pelo “rosto negro, pelo sangue índio, pelo corpo de mulher marginalizada, “pelo moleque pelintra do Buraco Quente… é o Jesus da Gente”. Maria foi uma mulher simples do povo e assistiu com profunda dor de mãe à crucificação do Filho. Por isso ela encarna bem a “Mãe das Dores-Brasil”, pois milhões de brasileiros e de brasileiras estão sendo crucificados pela expulsão de suas casas, de suas terras, pela fome e pelas doenças. Essa dimensão de Jesus foi especialmente enfatizada pela Teologia da Libertação que tem nos oprimidos e nos crucificados na história seu ponto de partida e de ação. Ela quer como Jesus libertar toda esta gente. Essa é a mensagem clara do enredo da Mangueira. Quem não entender isso, perdeu a atualidade da mensagem da Mangueira.

A Mangueira tem sido alvo de ataques da extrema-direita e de certos segmentos cristãos depois do anúncio do enredo sobre Jesus Cristo. O instituto conservador Plinio Corrêa de Oliveira organizou um abaixo-assinado e estuda um ação na Justiça contra a escola de samba. O que acha dessa postura? Como se defender de ataques como esse?
Não devemos esquecer que Jesus não morreu porque caiu um caibro grosso na cabeça dele, já que era como o pai também carpinteiro, nem foi atropelado e morto por um camelo pesadão. Ele foi perseguido, caluniado e condenado à morte de cruz pelos religiosos da época, os sacerdotes, os doutores da lei, pelos piedosos como os fariseus. Os seguidores ultra-conservadores de Plínio Corrêa de Oliveira representam hoje todos estes que tramaram a liquidação de Jesus. Condenando o enredo da Mangueira eles repetem a condenação de Jesus. A Mangueira está do lado de Jesus. Os conservadores de hoje estão do lado de Caifás, de Anás, de Judas e daqueles que gritavam:”Crucifica-o, crucifica-o”. Se houver algum processo, que seja feito contra estes ultra-conservadores que não conhecem bem a fé cristã e por ofenderem a Jesus nos humilhados e ofendidos de nossa história de hoje.

Mangueira 2020

Tanto a sinopse quanto o samba da Mangueira dizem que Jesus são muitos. A sinopse tem o seguinte trecho: “Na cruz, ele é homem e é também mulher. Ele é o corpo indígena nu que a igreja viu tanto pecado e nenhuma humanidade. Ele é a ialorixá que professa a fé apedrejada e vilipendiada. Ele é corpo franzino e sujo do menor que você teme no momento em que ele lhe estende a mão nas calçadas. Na cruz, ele é também a pele preta de cabelo crespo. Queiram ou não queiram, o corpo andrógino que te causa estranheza, também é a extensão de seu corpo”. Essa forma de retratar Jesus tem causado reações mais irritadas e causado polêmica. Por que isso acontece? E o que acha dessa visão de Jesus, mais humano?
A sinopse é verdadeira, pois Jesus são de fato muitos, isto é, todos os que tiveram e estão tendo o mesmo destino de Jesus: os oprimidos pelos latifundiários, os explorados pelos patrões, as mulheres violentadas, as crianças estupradas, os LGBT discriminados. Todos estes atualizam a paixão de Jesus. Tem mais. Jesus como homem representa toda a humanidade, masculina  e feminina. A Igreja ensina que Jesus assumiu tudo o que é humano. Se não tivesse assumido todo o humano, não teria sido o salvador e libertador de todos. Em outras palavras: se não tivesse assumido o lado feminino não teria redimido as mulheres que são mais da metade da humanidade. Sabemos hoje que em cada pessoa há a dimensão masculina (o animus) e simultaneamente a dimensão feminina (a anima). Todos sem exceção possuem estes dois lados. Por que estas duas dimensões, masculina e feminina, não estariam presentes também em Jesus? Lógico que estão, pois caso contrário, não seria plenamente humano.

Mais:
Diretor da Liesa praticamente descarta ensaios técnicos em 2020

Não adianta fazer enredo sobre Abdias Nascimento e ignorar as causas que ele apoiava, diz carnavalesco da MUM
Vote! Qual é o melhor samba do Grupo Especial do Rio de 2020?
Com Elza Soares, pai de santo e volta de Jesus Cristo, Carnaval 2020 será marcado pela crítica social; conheça os enredos

Historicamente, o cristianismo e o Carnaval das escolas de samba sempre tiveram uma relação turbulenta. Há casos famosos, como o Cristo mendigo da Beija-Flor, em 1989, que desfilou coberto por força de ordem judicial. No entanto, nos últimos anos, houve alguma aproximação da igreja católica, que prefere acompanhar o desenvolvimento de enredos do que partir para o confronto. Como vê essa mudança? Acha que o samba pode servir para aproximar Jesus das pessoas?
Há uma parte da Igreja que prefere ver apenas o Jesus glorioso, o Rei do Universo, Jesus Deus que toca o mundo pecador apenas com a fímbria de seu manto. Essa visão é reducionista. Ele é Deus sim, mas um Deus encarnado em nossa miséria, que tem fome e sede, que se alegra e que chora. Essa visão adulçorada é contrária aos evangelhos. Eles mostram um Jesus homem como nós que abraça as crianças, que se compadece dos doentes, que multiplica pães e peixes para atender um povo faminto, um Jesus que é amigo de duas mulheres queridas, Marta e Maria, que se irrita porque se fazem negócios dentro do lugar sagrado, derruba as mesas com as moedas e toma o chicote e escorraça esses vendilhões. Ele é plenamente humano em cada uma destas situações. Mas principalmente foi aquele que a Mangueira bem canta que “enxuga o suor de quem desce e sobre a ladeira, que vive um amor sem fronteiras, que se coloca na fileira contra a opressão”. Esse é o Jesus verdadeiro, aquele que é solidário, que suscita esperança “que brilha mais que a escuridão”. A Mangueira deixa uma mensagem importantíssima que vale para o mundo atual, tirada da mente de Jesus: “Não tem futuro sem partilha”. A humanidade inteira está mal porque os ricos não partilham. Só os pobres partilham o pouco que têm. E dá uma indireta clara e bem merecida ao atual governante:” Não há Messias de arma na mão”. O enredo termina com o que é mais importante na fé cristã: O domingo da ressurreição. Diz isso poeticamente: “Num domingo verde-e-rosa ressurgi pro cordão da liberdade”. Liberdade e amor são os bens mais preciosos que temos. Para confirmar isso, Cristo ressuscitou. A Mangueira, com seu enredo e sua arte, fez uma pregação melhor do que qualquer uma, de padre, de bispo ou de cardeal. A Mangueira está na linha do Papa Francisco que repete: Jesus veio para nos ensinar a viver, o amor, a solidariedade, a esperança e o gesto de ternura.

Como o senhor pretende acompanhar a Mangueira?
Dizem por ai que gostariam que eu desfilasse na Escola da Mangueira. Seria uma espécie também de homenagem à Teologia da Libertação, subjacente no enredo. Eu penso assim: cada um deve conhecer o seu lugar. Acho que o lugar do teólogo, por mais que apoie os pobres, o povo e reconheça o alto valor do enredo da Mangueira, não é no desfile da escola mas, no máximo, na plateia no meio do povo, desfrutando da beleza e aplaudindo. Assisti da plateia a muitos carnavais. Agora no tramontar da vida e com alguns achaques, meu lugar é apoiar a Mangueira e felicitá-la por esse belo, profundo e verdadeiro enredo, dentro do melhor da fé cristã, fé radicalmente  humana, fé libertadora.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Sou pastor de uma modesta igreja na cidade de Belford Roxo denominada Igreja Evangélica Assembleia de Deus do Ministério Luz Apostólica. Sou publicitário, especialista em história dos Cristianismos e suas origens, mestrando em história comparada no IFCS PPGHC e LHER da UFRJ. Quero parabenizar ao carnavalesco da agremiação mangueira pela iniciativa. Outrora fui interprete de blocos carnavalescos e até diretor social e de harmonia em minha cidade quando recém emancipada nos anos 90. Hoje, desde 1999 pastor, prego em meus sermões a prática do amor e respeito as diferenças. Minha dissertação na UFRJ vai tratar exatamente das relações de intolerância religiosa na cidade de Belford Roxo e baixada fluminense como um todo. Parabéns e um bom carnaval a todos.

  • Só agora tive oportunidade de conhecer a letra do enredo do samba da Mangueira. Ouvi muitos comentários contra e divulgação de parte da letra cheguei a ficar contra o que divulgaram. Mas tomando conhecimento da íntegra da letra do enredo do samba posso afirmar que Jesus foi bem representado na letra do samba da Mangueira. Jesus se representa em cada um de nós humanos e todos nós somos homens e mulheres pecadores. Nenhum de nós somos Santos. Santo só Deus e, Jesus embora Deus, se encarnou para vir ao mundo e assim pudesse representar toda a humanidade e nos ensinar a amar como homens e mulheres, de forma que Jesus se representa em cada um de nós independentemente de raças, sexos, cor, idade ou profissão. Deus está em cada um de nós e só podemos amar a Deus se amamos o irmão sem julgamento porque todos somos sujeitos a erros e acertos, portanto todos somos pecadores. O julgamento pertence a Deus. Quem somos nos para julgar nosso semelhante?
    Assim me retrato, apoiando o Samba enredo da escola de samba da Mangueira que com sábias palavras apresenta o Jesus encarnado que é mais atual do que nunca. Devo a meu filho FUED JABOUR que faleceu em 31/12/2019, o melhor esclarecimento de minha vida do que é o verdadeiro amor. O amor sem preconceito, sem discriminação, sem rótulos e sem uma regra imposta por qualquer lei ou religião.

  • O teólogo Leonardo Boff dá um banho de conhecimento sobre os propósitos de Jesus, quem era e como se comportava, na verdade e eu posso estar enganado, a nossa classe dominante se incomoda com essa visão do Boff e agora cai de pau em cima da Mangueira.

  • Os enredos das escolas de samba são verdadeiras aulas de história.
    Sobre o samba-enredo da Mangueira , também ouvi comentários e postagens de movimentos contrários… Após a leitura desta entrevista com Leonardo Boff fiquei pensando: é uma pena que , dentro da nossa Igreja Católica, tenhamos perdido muito o movimento das Comunidades Eclesiais de Base, as CEBs, que trabalham à luz da Teologia da Libertação, que vê no outro um irmão, onde todos são iguais: homens, mulheres , …. Agradeço imensamente por essa entrevista ensinamento. É isso que o Cristo quer de nós: humanidade, fraternidade, luta contra as injustiças, dignidade, pão para todos… Lindíssimo enredo!

  • Rômulo, brilhante a sua matéria, a generosidade e justiça frente à correnteza de ódio que tentam esmagar a voz de tantos. Salve a Estação Primeira de Mangueira, A Verdade nos Fará Livre !!!!!!!!!! Abraços

    • Eu pessoalmente não gosto desta mistura, pois mesmo o autor do enredo tendo o bom censo em suas palavras, sabemos que o carnaval e uma festa da carne, não tem nada de religioso, sabemos do submundo que vive os donos destas escolas, por que os autores de enredos não fazem enredos contando a história destes caras, e deixam a igreja em paz?
      Tudo é uma sujeira so, querem chocar e ganhar dinheiro, que Jesus tenha piedade de nós.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.