Setor 1

Pastor Caio Fábio compara samba da Mangueira de 2020 ao evangelho de Jesus e critica fanatismo religioso; assista2 min read

Pastor Caio Fábio durante live nesta quinta-feira – Reprodução/YouTube

O pastor Caio Fábio fez uma análise do samba-enredo da Mangueira de 2020, comparando a letra do samba da obra – assinada por Manu da Cuíca e Luiz Carlos Máximo – com trechos do evangelho.

A análise foi feita durante o programa do pastor em seu canal no YouTube e no Facebook, “Papo de Graça”, após participação do compositor Thiago de Souza, nesta quinta-feira, 23.

Mangueira entendeu, e os crentes não. Por isso a Mangueira se levantará no juízo e julgará essa geração de messias com arma na mão”, disse Caio Fábio ao comentar o trecho que faz referência indireta ao presidente Jair Messias Bolsonaro: “Não tem futuro sem partilha, nem messias de arma na mão”.

Mais:
Ultra-conservadores de hoje representam os que tramaram a condenação de Jesus, diz Leonardo Boff sobre ataques à Mangueira

Diretor da Liesa praticamente descarta ensaios técnicos em 2020
Não adianta fazer enredo sobre Abdias Nascimento e ignorar as causas que ele apoiava, diz carnavalesco da MUM
Vote! Qual é o melhor samba do Grupo Especial do Rio de 2020?
Com Elza Soares, pai de santo e volta de Jesus Cristo, Carnaval 2020 será marcado pela crítica social; conheça os enredos

O pastor, uma das mais importantes lideranças cristãs do Brasil, também criticou as reações conservadoras ao enredo, assinado pelo carnavalesco Leandro Vieira.

“Muita gente não gosta sem saber. Que abomina sem conhecer. Que despreza sem ter visto. O fanatismo religioso é assim: odeia o que não conhece, abomina o que nem percebeu e despreza o que não conheceu. Assim é a mente de todos os fanáticos. E a religião tem um poder de alienação fanatizante, entupidora e alienante mais do que qualquer outra potestade na Terra”, declarou Caio Fábio, que ainda fez uma brincadeira.

“Se publicanos e meretrizes nos precedem no Reino de Deus, quanto mais os compositores da Mangueira. Jesus já deixa a Mangueira entrar”, disse.

Veja a análise:

Eu tenho o grato privilégio de ser aprendiz, seguidor e amigo do meu amado Reverendo Caio Fábio.Tomei a liberdade de perguntar a ele o que achava do enredo da Mangueira, assinado pelo grande Leandro Vieira. Ele não só respondeu, como fez uma analisada definitiva do samba assinado por meus colegas compositores Manu Da Cuíca e Luiz Carlos Máximo. Claro que não fiquei surpreendido ??

Publicado por Thiago de Souza em Quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

Veja aqui o programa na íntegra.

Ouça o samba:

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Caião, que lindo, que maravilhoso, que texto, …
    Vejo isso chorando de alegria porque a revelação nao vem de nós, mas sim do Deus que ama o Samba e o Sambista.
    Carrego comigo pouca cultura do Samba, culpa da religião que por anos me cegou.
    Mas amo os bons versos e as mensagens que Deus me traz através daquilo que a religião jamais vai aceitar.

    Grande beijo aos compositores, sambistas e todos voces.

    A partir de hoje sou Verde e Rosa !!! rsrsrsr

  • Pr. Caio teve que fundar sua própria igreja, porque não concordava com nenhuma; não serve de parâmetro. Em primeiro lugar, José não era desempregado, mas carpinteiro, ou seja, autônomo. Maria não era das Dores, porque tinha uma família e um filho Maravilhoso. E Jesus é Deus para os cristão, que nunca vão aceitar a usa comparação com “pelintra”. Falta total de respeito aos cristão verdadeiros do país, que seguem as palavras de Cristo escritas nos evangelhos. Nem tudo pode ser politizado.

    • Você está coberta de razão, este pastorzinho não só não serve de parâmetro para nada como também é uma persona que não se pode levar a sério, veja o que eu penso deste senhor.
      Sinceramente, este conhecido pastor na verdade é um cidadão “maluco beleza” com um espírito de comicidade de diversão e deboche.
      Ele é, na verdade, um grande gozador que curte a cara de todo mundo brincando de religiosidade.

  • Muito bom. Bom saber que estamos amparados por pessoas que pensam sem preconceito, porque Jesus vive em todos nós e somos partes de Deus que não é cruel e sim misericordioso. Retratar em olhar atual o que Jesus sofreria se viesse ao mundo hoje foi muito criativo se olharmos que realmente vivemos em um país de poucas oportunidades e de muitas injustiças. Infelizmente muitos acreditam ainda em religião… foi muito bonito ver só no final as várias lideranças religiosas reunidas prestigiando o amor fraternal que Jesus pregou sem diferenças. É necessário que as pessoas parem de ler a Bíblia com olhos de parábolas mas sim com profundo sentimento para aplicação em suas vidas. Mas em fim nem todo solo está preparado … algumas sementes caem em pedras, outras em terrenos aridos… porém ainda haverá muito solo fértil que fará brotar a verdadeira comunhão que Jesus pregou. Vamos pensar mais em caridade, pregar o amor, pensar mais no próximo. Vamos pensar em nós unir para multiplicar e não em dividir opiniões e tratar com desrespeito aqueles que não estão de acordo com nossas ideias. Vamos apenas ouvir, dissertar e ter respeito. Que cada um de nós possa viver experiências com olhos de compaixão que Cristo nos ensinou quando morreu por nós, mas que hoje vive com o mesmo amor esperando que cada um cuide de seu jardim para recebe-lo. Para aqueles que ainda não conseguem entender com muita facilidade… nesse caso o jardim é o coração de cada um…

  • Sinceramente, este conhecido pastor na verdade é um cidadão “maluco beleza” com um espírito de comicidade de diversão e deboche.
    Ele é, na verdade, um grande gozador que curte a cara de todo mundo brincando de religiosidade.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.