Setor 1

Audiência pública reúne prefeitura e escolas de samba; ‘Crivella criminaliza o Carnaval’, diz vereador5 min read

Mangueira 2019 – Gabriel Nascimento/Riotur

A 100 dias do Carnaval 2020, a turma do samba vai se reunir na Câmara de Vereadores para um encontro com representantes da prefeitura do Rio de Janeiro para tratar dos preparativos da festa – na prática, tentar acabar com as incertezas que ainda dominam o debate sobre a festa. Na próxima quinta-feira, 14, às 10h, uma audiência pública, promovida pela Comissão Especial de Carnaval, promete, enfim, colocar frente a frente autoridades do poder público e escolas de samba, sob a mediação do legislativo municipal.

Após duas reuniões de preparação, com representantes das escolas e ligas e dos blocos, uma lista de perguntas foi formulada e enviada ao presidente da Riotur, Marcelo Alves. A ideia é que o dirigente leve as respostas para questões ainda sem solução, como prazos para pagamentos e fornecimento de serviços públicos (veja a lista completa no fim da página).

A audiência acontece no auge da crise de relacionamento entre a prefeitura e as escolas de samba: após dois anos seguidos de corte de verba, o prefeito Marcelo Crivella anunciou este ano que não pagará mais subvenção às agremiações do Grupo Especial e da Série A. Motivo: segundo o próprio prefeito, o município arrecada muito pouco com o Carnaval, e a maior parte do faturamento fica com Liesa e Globo. E aí começam as divergências.

Leia também:
Ensaios técnicos: Liesa envia projeto de R$ 3,6 milhões para patrocínio via Lei Rouanet
“Grande dia”, publica Tuiuti após soltura de Lula
Desfile das Campeãs de São Paulo muda de dia no Carnaval 2020
Prefeitura aumenta cachê para escolas de samba de São Paulo

Agora em escola botafoguense, Marcelo Adnet volta a vencer disputa de samba

O Setor 1 vem há mais de um mês tentando obter da Secretaria Municipal de Fazenda a informação de quanto a prefeitura arrecada com impostos oriundos do Carnaval. Ainda sem resposta, a Fazenda informa apenas que está fazendo o estudo.

No entanto, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2018 o Rio arrecadou R$ 77 milhões somente com Imposto Sobre Serviços (ISS) – dados apurados no contexto do programa Rio de Janeiro e Janeiro. A Fazenda não confirma o valor. Pelo menos oficialmente, portanto, a prefeitura não sabe o quanto fatura com o Carnaval, apesar de decidir reduzir os investimentos.

“Essa é a dimensão do nosso problema, de uma prefeitura que toma medidas sem a  mínima racionalidade, mas por motivos ideológicos e por conta de convicções religiosas”, diz o vereador Tarcísio Motta (PSOL), presidente da Comissão de Carnaval.

Projeto de lei

Primeiro Crivella chegou a anunciar um decreto para acabar com a subvenção de forma indireta, proibindo o investimento público do município em eventos com cobrança de ingresso – incluindo o serviços da Comlurb e da Rio Luz. Mas, por força de uma lei de 1988, que nomeia a prefeitura como responsável pelos desfiles, foi preciso levar o assunto à Câmara. Assim, o vereador Dr. Gilberto (PMN) ingressou com um projeto de lei com o mesmo teor. A matéria está em tramitação.

Vereador Tarcísio Motta – Reprodução/Facebook

Motta é contra o projeto de lei, e defende investimento no Carnaval como fator gerador de emprego e renda.

“[A ideia de cortar verba] É de um prefeito que não gosta da cidade que administra, que trabalha contra as principais atividades da cidade. Carnaval não é problema para o Rio, é solução. Ele gera emprego, renda e impostos. O Rio recebe muito mais do que investe com o Carnaval”, discursa Motta.

Quanto custa?

A prefeitura já chegou a afirmar, em vídeo institucional filmado na Marquês de Sapucaí e divulgado este ano, que gastou R$ 70 milhões somente com os desfiles da escola de samba. No entanto, antes do Carnaval, a mesma prefeitura comemorou ter reduzido o investimento direto para cerca de R$ 30 milhões – outros R$ 40 milhões vieram da iniciativa privada. Mais: o portal de Transparência da administração municipal informa uma despesa total de aproximadamente R$ 13 milhões com o Carnaval 2019. Os números não batem.

“O que o Crivella faz é uma criminalização do Carnaval. Não há como não imaginar que ele esteja fazendo isso a partir das suas convicções religiosas, o que é lamentável, e não a partir de um debate de como potencializar o Carnaval  como atividade que dure o ano inteiro, que promova a cidade. Essa é a discussão que deveria estar no fundo do debate, e não uma dicotomia entre escolas de samba e escolas de aula. Os impostos arrecadados com o Carnaval podem e devem ser utilizados para melhorar a saúde, a educação e a cultura cidade”, declara o vereador.

A audiência pública é aberta ao público. Para participar, é preciso se inscrever na Câmara. Assim é possível comentar assuntos já debatidos e fazer novas perguntas. Além da Riotur, são aguardados representantes da Casa Civil e do gabinete do prefeito.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.

Adicionar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Romulo Tesi

Romulo Tesi

Romulo Tesi Jornalista carioca, criado na Penha, residente em São Paulo desde 2009 e pai da Malu. Nasci meses antes do Bumbum Paticumbum Prugurundum imperiano de Aluisio Machado, Beto Sem Braço e Rosa Magalhães, em um dia de Vasco x Flamengo, num hospital das Cinco Bocas de Olaria, pertinho da Rua Bariri e a uma caminhada do Cacique de Ramos, do outro lado da linha do trem. Por aí virei gente. E aqui é o meu, o nosso espaço para falar de samba e Carnaval.